Arte e Mistério – Performace artística dos usuários da Saúde Mental de Ouro Preto

Quinta- feira, dia 06 de novembro de 2008

Sanidade Artística

saudemental

Usúario do CAPS – Foto por: Júlia Abrão

“Fabuloso”. Assim foi definido por Maira Goreti o projeto realizado pelo CAPS – Centro de Apoio Psicossocial, hoje às 10h, na cidade de Ouro Preto. Maira, formada em Artes Cênicas pela UFOP e que trabalha em direção teatral, contou-nos sobre o convite para expor e mostrar um pouco do trabalho do CAPS no Fórum das Letras. Ela disse que o projeto é promovido por Carlos Eduardo Nunes, artista plástico e gerente do CAPS. Segundo Maira, as pessoas atendidas no Centro conseguem se expressar muito além da maneira verbal ao mexer com pintura e desenho. Elas usam signos e altos graus de subjetividade para comunicarem-se através da arte. De uma forma muito atenciosa e disposta a ajudar, o Centro de Apoio Psicossocial tem um projeto includente e de grande importância para pessoas com problema de saúde mental. Sendo assim, a programação do Fórum se mostra diversificada e completa, pois abre espaço à iniciativas como essa.

maira-felipeeee1

Maira Goreti- Foto por: Felipe Bianchi

Texto por: Júlia Abrão e Felipe Bianchi

Published in: on 6 novembro, 2008 at 7:14 pm  Deixe um comentário  

As Letrinhas na Casa da Ópera

Quinta-feira, 06 de novembro de 2008.

foto por Luiza Lourenço

Thalita Rebouças e Léo Cunha

O 2º dia de apresentações fica marcado pela presença de Thalita Rebouças, jornalista e escritora de livros direcionados para o público infanto-juvenil e Léo Cunha, escritor e ilustrador mineiro, adepto da literatura infantil, e atualmente professor de Jornalismo Cultural da UNI-BH.

A abertura do evento contou com a apresentação de dois grupos regionais de teatro: a Companhia Pé da Letra e o Grupo Caça Palavras, que encenaram esquetes de obras dos autores presentes. Ambos os grupos são formados por alunos de Artes Cênicas da UFOP.

A Casa da Ópera, que já foi palco de importantes peças teatrais, se viu tomada por inúmeras crianças, ansiosas para conversar com os autores. Era evidente o interesse que possuíam pelos livros infantis, interesse medido nas perguntas que foram direcionadas à Thalita e Léo. Diante dos questionamentos, revelaram que são inspirados a criar pelo seu público alvo. A autora utiliza de sites de relacionamentos para conhecer e aproximar-se dos jovens, enquanto Léo brinca com o ludismo encontrado no relacionamento com sua filha.

Dentre as obras de Thalita, pode-se ressaltar “Fala sério, mãe!”, componente de uma série de livros com a mesma abordagem. Léo Cunha é ganhador do Prêmio Jabuti de Literatura Infantil e autor de mais de 30 livros, e entre estes “Era uma vez um reino muito sonolento” ocupa lugar de destaque, por ter surgido de histórias contadas por ele à sua filha.

O encerramento contou com uma sessão de autógrafos e distribuição de livros para a garotada, que saiu satisfeita com a tarde no teatro.

Texto por Luiza Lourenço e Enrico Mencarelli.

Foto por Luiza Lourenço.

Published in: on 6 novembro, 2008 at 5:06 pm  Deixe um comentário  

Palavras de Mário Vale sobre…

pic_00402

Mário Vale

 

 

O começo: “Comecei a fazer livros quando criança, uma  época boa para começar. Meu pai, jornalista, me deu uma força, mas para você ter uma idéia eu fiz Direito. No quinto ano de faculdade, mas sempre desenhando, comecei a fazer Artes Gráficas. Então, me formei como advogado, apesar de nunca exercer a profissão, no mesmo ano em que tomei pau em desenho.”

Influência: “Todo mundo tem, quanto mais, melhor. A formação de artista vai muito de influência, a partir daí que você personaliza seu trabalho. O problema é ser totalmente influenciado, aí vira uma cópia e o trabalho fica pobre. Um grande mestre para mim é Steinberg. Acredito que é uma influência para todos os cartunistas brasileiros. Os artistas plásticos, como Renoir, também Pablo Picasso, que todos se inspiram, e Ziraldo, pelo qual eu tenho grande admiração, fecham minha lista.”

Relação livro, desenho e texto: “Eu e Marcelo Xavier fizemos juntos a Oficina Mágica, que funcionava como um ateliê. Então um editor nos deu a idéia de ilustrarmos livros com nossas produções. Assim me introduzi na literatura, mas não me considero um escritor. Sou um desenhista que escreve.”

Papel: “Você sabia que papel dorme? E quando ele acorda, podemos transformá-lo no que a imaginação mandar. Toda escola que eu conheço tem cola e papel, então resolvi utilizar esse material para me aproximar dos alunos. Quem ilustra, acaba que escreve. Dessa forma, o Fórum das Letrinhas deveria se chamar Fórum das Letrinhas e dos Desenhinhos.”

Entrevista  por Luana Viana e Luiza Lourenço com a colaboração de Lorena Caminhas e Simião Castro

Foto por Luana Viana.

Published in: on 6 novembro, 2008 at 11:38 am  Deixe um comentário  

Angelo Oswaldo, prefeito de Ouro Preto, fala sobre o Fórum das Letras

Palavras de Angelo Oswaldo, prefeito de Ouro Preto, sobre a 4ª edição do Fórum das Letras.

“O Fórum das Letras faz de Ouro Preto uma referência viva da leitura, do livro e da literatura na atualidade. Ouro Preto é uma cidade literária, uma cidade que está presente em diversas obras de ficção, de poesia, de estilística. Ouro Preto foi palco de grandes movimentos literários, da própria Inconfidência Mineira, um dos últimos movimentos literários do final do século XVIII. Os modernistas vieram a Ouro Preto em 1924, encontraram aqui as raízes culturais do Brasil que é o resgate do livro em plena época da informática, em plena era digital. Nós estamos vendo que o livro tem uma presença cada vez mais forte na contemporaneidade e que é muito importante trabalharmos com isso. A nossa Biblioteca Pública Municipal é prestigiada pela prefeitura. Hoje ela tem cerca de 10 mil associados e é o maior clube de Ouro Preto. Tem mais associados que o Ouro Preto Tênis Clube (OPTC), de maneira que nós queremos sempre valorizar mais o livro e a leitura, nesse nosso mandato, trabalhando.

Ouro Preto hoje ganhou 3 livrarias completas. Nós não tínhamos livrarias. Demos espaço para o livro,a leitura e a literatura. O Fórum é essa grande convergência”

Entrevista por Douglas Gomides

Published in: on 6 novembro, 2008 at 10:10 am  Deixe um comentário  

Entrevista com Clara Lucarelli

Foto por Douglas Gomides

Clara Lucarelli no Centro de Convenções

Antes da conversa com Nelson Motta e Lobão, aproveitei para bater um papo com o público presente. A seguir uma entrevista com Clara Lucarelli de São Paulo, que veio ao Fórum acompanhar seu marido, convidado para participar do evento.

Como você ficou sabendo do Fórum das Letras?

CL: Meu marido é convidado do evento e eu li em alguns jornais também.

Na sua opinião,o que o Fórum das Letras traz para Ouro Preto?

CL: Traz um número grande de pessoas, traz contribuições econômicas e muita gente interessada no movimento cultural da cidade.

Dentre as palestras que irão acontecer,tem alguma especial para você?

CL: Eu gosto muito do Lobão, Nelson Motta, Marçal Aquino, por enquanto foram esses que me chamaram a atenção.

Qual a sua expectativa para o Fórum?

CL: Eu espero acompanhar todas essas palestras e descobrir autores que eu não conheço, principalmente os brasileiros.

Entrevista por Douglas Gomides

Foto por Douglas Gomides

Published in: on 6 novembro, 2008 at 9:16 am  Deixe um comentário  

Entrevista com Caio Padoan (estudante da UFOP que está trabalhando no Fórum das Letras)

No standart da nova minissérie.

No dia 5 de Novembro, a partir das 16:30, começaram as atividades referentes ao Fórum das Letras no Centro de Convenções da UFOP. Ao chegar no local do evento, me deparei com um estande da Rede Globo. Esse Standat tem o intuito de apresentar para a população,a nova minissérie da Globo, denominada Capitu e baseada na obra do grande Machado de Assis. Aproveitei então para bater um papo com o estudante da Ufop e responsável pela apresentação do estande, Caio Padoan. Nessa conversa, perguntei a Caio quais suas expectativas para o Fórum. Ele disse que eram grandes, principalmente com esse tema principal, o “mistério”. Ainda mais em Ouro Preto, que segundo o entrevistado, é uma cidade misteriosa. Caio ainda elogiou a programação: “Tem muita coisa para ser vista. A programação está ótima. Quem vier vai gostar com certeza”. O estudante acredita que a palestra principal do envento será a do cantor Lobão, que na opinião de Caio poderá dar uma boa discussão (nota: quando a matéria foi publicada, a palestra já havia ocorrido). Para finalizar, questionei a importância de um acontecimento tão grandioso como esse para a cidade. O garoto não pensou duas vezes para responder: “Cultura. É ótimo termos eventos culturais para os estudantes e toda a comunidade”.

Entrevista por Douglas Gomides

Foto por Douglas Gomides

Published in: on 6 novembro, 2008 at 8:44 am  Deixe um comentário